Amor entre Fada e Demônio – Avaliação Final

Amor entre Fada e Demônio capa

Amor entre Fada e Demônio surge como uma agradável surpresa no universo dos doramas de fantasia chineses em 2022. Após concluir a série, me vejo com sentimentos mistos a respeito. Sem dúvida, é um dorama que merece ser recomendado, contudo, pode não agradar a todos.

Segue uma análise dos pontos positivos e negativos que observei.

(Caso queira evitar spoilers, avance para a Conclusão.)

*Spoilers a seguir

PONTOS POSITIVOS

ORQUÍDEA

Ou Xiaolanhua. Ela pouco se diferencia da típica protagonista feminina inocente e de olhos brilhantes. O que a destaca, no entanto, é a frequência com que o dorama lhe permite ter ideias e raciocínio lógico. Ela não é uma protagonista ativa, reagindo principalmente ao que acontece ao seu redor, mas também não é um fardo.

Orquídea evolui de uma fada despreocupada, que deseja apenas boa comida e sono, para uma mulher mais madura, capaz de enfrentar seus erros e colocar o bem-estar dos outros acima da sua própria felicidade. A transformação é abrupta, mas houve um esforço.

Ela também demonstra uma maturidade emocional maior que Dongfang, apesar de sua pouca idade, e, sinceramente, é mais inteligente. E se há algo que precisamos mais em doramas de fantasia, são personagens dispostos a pensar.

UM ENREDO BEM CONSTRUÍDO

Tudo neste dorama acontece por um motivo. Nenhum personagem está presente apenas por ciúmes infantis ou vinganças sem sentido. Eles têm objetivos, cometem erros, seguem em frente. Até o rei hipócrita do clã celestial tem seu propósito. Ninguém é irritante.

Bem, exceto pela voz maligna que embosca todos a todo momento. Ele… precisa falar menos.

ASSISTENTE DRAGÃO NEGRO, DAYIN, CHANGHENG, “IRMÃOZINHO”

Quer saber quem faz mais sentido neste dorama? Não é Dongfang. São os personagens secundários, nomeadamente os quatro mencionados acima. Todos possuem suas obsessões iniciais com uma coisa ou outra (exceto Dragão Negro), mas evoluem rapidamente e se tornam as vozes da razão ao redor dos personagens principais.

O irmão mais novo de Dongfang tem um arco de personagem completo, onde inicialmente detesta seu irmão, mas depois se transforma em um servo confiável de seu senhor e clã.

No fundo, ele ainda é um esnobe que provavelmente passa mais tempo cuidando do cabelo do que trabalhando, mas é um esnobe em quem você pode confiar para dizer a verdade, por mais desagradável que seja.

A TRANSPARÊNCIA ENTRE OS PERSONAGENS PRINCIPAIS

Tanto Orquídea quanto Dongfang demoram para compreender seus próprios sentimentos, então eles explicam cada detalhe um ao outro. Embora isso não deixe espaço para interpretação por parte dos espectadores, também significa que não existem mal-entendidos desnecessários.

ADEREÇOS BEM FEITOS

Exceto pela coroa de Changheng inspirada na água.

Amor entre Fada e Demônio 2

A coroa dourada do Rei Celestial também é questionável, mas parece ser de ouro de verdade.

O ARCO DO REINO MORTAL

O dorama decide que a melhor maneira de realizar um “teste mortal” não é fazer com que os personagens principais estejam de fato envolvidos no teste, mas sim fazê-los atrapalhar os testes de outras pessoas. Mais divertido e menos arrastado.

OS PONTOS NEGATIVOS

A IDENTIDADE SECRETA DE ORQUÍDEA

Para ser grandioso, você precisa nascer grandioso. Não há outra maneira. Próximo ao final do dorama, a bondade de Orquídea e sua visão única do mundo deixam de ser o foco de sua personagem. Agora, é sua identidade, o poder secreto com o qual ela nasceu que impulsiona a trama. Isso acontece em quase todos os doramas de fantasia por aí.

Seria isso escrita preguiçosa ou os escritores de fantasia romântica dessa indústria simplesmente não acreditam que garotas comuns, que aprendem a chegar ao topo, merecem ser protagonistas? Ainda estou tentando decidir.

O ÚLTIMO ARCO

Junto com essa coisa de Identidade Secreta, todo o debate sobre “quem deveria morrer pelo mundo” nos últimos episódios poderia ter sido removido e o dorama não seria afetado de forma alguma. Na verdade, seria melhor.

A história poderia simplesmente ser sobre Orquídea sendo arrancada de sua casa sem eventos marcantes e amadurecendo a partir da fada ingênua e inocente que ela é; e Dongfang aprendendo sobre emoções e a crueldade da guerra, algo que inicialmente o entusiasma.

Em vez disso, o dorama se volta para o mesmo velho clichê de “temos que sacrificar nossa felicidade para salvar a humanidade”. Eles passam muito tempo com cenas de carinho e então pulam direto para o último arco, negligenciando coisas mais importantes, como: a reflexão de Orquídea sobre sua transformação ou o vínculo de Dongfang com seu povo.

Opinião potencialmente impopular à frente.

Na metade de Amor entre Fada e Demônio, ficou claro que esse casal principal não é do meu agrado. Portanto, tenho uma visão altamente crítica sobre eles. No entanto, se Dongfang e Orquídea são o tipo de romance que você aprecia, provavelmente os problemas que estou prestes a mencionar não te incomodarão.

BEM, O ROMANCE…

De todas as coisas que aprecio neste dorama, infelizmente, o romance não está entre elas. Aqui estão algumas das muitas razões para isso:

É pouco sutil. E não de uma boa maneira.

O dorama simplesmente não consegue parar de lembrar você por quem deve torcer. Os personagens explicam tudo em voz alta, não apenas para si mesmos, mas também para o público. O que o dorama não considera é que talvez o público esteja esperando que os personagens percebam o que já sabemos.

Podemos pegar qualquer episódio aleatório e facilmente encontrar um exemplo desse defeito. Abaixo está um rápido.

Em um episódio, Changheng pede a Orquídea alguns minutos para esclarecer as coisas entre eles. Então, eles conversam. Durante a conversa, a câmera constantemente muda para Dongfang para que possamos ver quão ansioso ele está com Orquídea estando perto de seu antigo interesse amoroso.

Sim… sim, eu sei que Orquídea e Dongfang são destinados a ficar juntos. Mas Changheng e Orquídea também têm uma conexão única, e eu gostaria de assistir à conversa de despedida deles sem ser constantemente lembrado de quem é o destino de Orquídea.

Isso é apenas a ponta do iceberg.

Dongfang e Orquídea repetem, vezes sem conta, como a outra pessoa mudou suas vidas e como pretendem continuar a fazê-lo, enfatizando repetidamente que estão destinados a ser, instando o público a concordar com eles.

E então tem a música de fundo. Toda. Única. Vez. Não importa se é durante uma batalha épica ou um simples passeio pela cidade, músicas românticas são tocadas para que você saiba que ESTE é o momento em que os sentimentos deles se desenvolvem. ESTE, é o momento em que você, o público, deve sentir algo. E ISTO, é o que você deve sentir.

Além disso, eles inserem todos os pequenos clichês que conseguem pensar para criar obstáculos para Dongfang e Orquídea.

Primeiro, é o fato de que eles têm padrões morais diferentes, o que já é um bom suficiente dispositivo de trama. Mas há também um triângulo amoroso, que eu tolero porque Changheng é razoável. E eu acho que precisamos desse erro inicial para Orquídea amadurecer.

Depois, é como eles são de tribos opostas. Então, há parentes que não os acolhem.

E para todos esses obstáculos, eles têm uma solução definitiva: dor.

Em certo momento, é dito que se um forasteiro deseja se casar com alguém do clã da Lua, ele/ela deve passar alguns dias em uma caixa de madeira confinada e suportar alguns ataques mágicos extremos. Se você sobreviver, pode se casar com o monarca da Lua.

Orquídea, claro, enfrenta esse desafio. E então temos uma longa cena dela e de Dongfang sofrendo dor física (porque seus espíritos estão conectados). Ela consegue sair, e a partir daí é chamada de “minha rainha” por onde passa.

Eu… realmente não consigo pensar em nenhum motivo para o dorama inserir esse capítulo, exceto para mostrar o quão bonitos Dylan Wang e Esther Yu são quando demonstram dor.

Por que o desafio do clã da Lua ao forasteiro não pode ser: aprenda nossos costumes, nossa história, aprenda a ser um servo do nosso povo?

O dorama se empenha tanto em demonstrar como Dongfang e Orquídea estão dispostos a sofrer um pelo outro, mas não se esforça o suficiente para explorar essa conexão além da dor física.

E apenas uma observação aqui: O que esse teste prova? A razão de o clã da Lua querer testar Orquídea é porque eles não confiam nas pessoas do clã Celestial. Mas simplesmente suportando o ataque deles, ela agora ganhou a confiança deles?

E se ela fosse uma espiã que por acaso é muito poderosa? Eles não deveriam estar mais desconfiados dela agora?

E então…

O dorama frequentemente torna seus personagens inconsistentes para provar um ponto sobre o romance. Especialmente Dongfang.

Ele é um poderoso senhor, um guerreiro com experiência tanto em combate quanto em tática, no entanto, no reino mortal, ele recusa-se a fingir uma noite de núpcias para levar um plano maior adiante. A razão do dorama? Ele se apaixonou por Orquídea nesse ponto e não gosta da ideia de ter um casamento, mesmo que falso, com outra mulher.

Nesses casos, Dongfang não deveria ser o primeiro a executar o plano com entusiasmo, dado o quanto ele é focado em objetivos e ciente do que está em jogo?

Eu sei que o dorama quer torná-lo um protagonista masculino fiel e digno de suspiros para satisfação dos desejos do público, mas era necessário ir tão longe?

Então, ao ver Orquídea com Changheng mortal, Dongfang aparece como um profissional e age como o marido cuidadoso de Orquídea sem falhas. Hmm, pensei que ele fosse ruim com emoções e geralmente desajeitado quando confrontado pela natureza humana, como ele poderia atuar tão bem aqui e ser exatamente o que precisa ser sem um traço de seu verdadeiro eu?

Todos sabemos por que essa cena precisa acontecer – para que Dongfang e Orquídea possam brincar de marido e mulher por um tempo. É um tropo muito familiar. Mas, novamente, precisamos disso à custa da consistência do personagem?

E já que estamos no assunto, vamos falar sobre…

O PROTAGONISTA MASCULINO

Amor entre Fada e Demônio 3

Porque ele também é um dos aspectos que poderiam ser melhorados neste dorama.

Ele começa forte — um tipo diferente de protagonista masculino que não evita a magia negra, não é o típico Deus da Guerra nobre que carrega o mundo nas costas. Mas, conforme o dorama avança, seu personagem acaba não sendo tão diferente assim. Ele é o garoto incompreendido com um coração de ouro que apenas precisa de um pouco de orientação emocional, que fará tudo ao seu alcance para proteger tanto sua garota quanto seu povo, e seu poder sendo… não a inteligência, mas sim feitiços de magia CG impressionantes.

Não é Dongfang O Homem com quem tenho problemas, mas Dongfang O Personagem. Ele é escrito para ser, mais uma vez, outro protagonista masculino que tem que escolher entre o amor e o dever, o que por si só — não é um problema. Mas sua solução para esse dilema? É a mesma em todo dorama: ele usa sua considerável força física para suportar tudo e espera que as coisas se resolvam.

Além disso, o dorama quer que ele seja muitas coisas ao mesmo tempo. Um líder implacável, um estrategista inteligente, um homem desajeitado apaixonado pela primeira vez, um amante suave que encanta as mulheres, um salvador do mundo, um filhote de cachorro fofo, etc.

Eles querem tudo. E ao tentar alcançar tudo, sacrificam o que realmente torna seu personagem único no início: a luta sólida entre quem ele é e quem ele quer se tornar.

Dongfang, assim como Orquídea, é levado em uma jornada para encontrar sua identidade. No caso de Dongfang, ele quer encontrar a versão de si mesmo que está sem a maldição da ausência de emoção. Ele quer saber como esse Dongfang viveria, lideraria e veria o mundo. Ele quer aprender a equilibrar os valores com os quais foi criado e aqueles que entende após conhecer Orquídea.

Mas, em vez de mergulhar mais fundo nesses conflitos internos, a trama lança sobre ele um cenário de fim do mundo, forçando-o a tomar o velho caminho que todo outro protagonista masculino de fantasia toma, que é se lançar sozinho ao perigo para salvar a todos – e chamar isso de desenvolvimento.

Sim, na superfície, é desenvolvimento; já que ele passa de querer matar o mundo inteiro a querer salvá-lo. Mas a ameaça de uma explosão não é exatamente uma maneira criativa de entregar crescimento de personagem porque a solução é previsível; e, uma vez que morrer-para-salvar-o-mundo neste caso significa uma explosão de CG, muito grito e fingir de morto, depende quase inteiramente do charme de um ator específico para funcionar.

Então, esse dorama e seu ator principal conseguiram nos fazer ver como toda a jornada de Dongfang levou a este momento de sacrifício? Não exatamente, especialmente quando todos sabemos que ele voltaria cinco minutos depois.

EM CONCLUSÃO

Amor entre Fada e Demônio é, antes de mais nada, uma comédia. Não importa quão séria a situação se torne, eles sempre encontram uma maneira de inserir comédia nela. Depois, é um romance. A política e a guerra estão lá para ficar em segundo plano, não para serem exploradas.

Se você quer um dorama de fantasia rápido e leve, com um enredo decente e atuação, bom ritmo, figurinos bonitos e um final feliz, ou se você simplesmente ama a dinâmica entre os dois personagens principais, eu recomendo Amor entre Fada e Demônio.

No entanto, se você está procurando um dorama com uma abordagem séria sobre o lado filosófico da questão “amor ou dever” ou uma exploração profunda de “A Bela e a Fera”, este dorama não é nenhum dos dois.

Fonte: Quippequest

Deixe um comentário