Análise: The Heavenly Idol – Um Show de Boas Intenções, Mas Pouca Execução

The Heavenly Idol capa

Veredito Rápido:

The Heavenly Idol nos apresentou um conceito divertido que, inicialmente, me cativou. No entanto, com o tempo, ficou claro que a série estava tentando, sem sucesso, mostrar que tinha mais a oferecer do que apenas um único atrativo.

Esse único atrativo é a luta do sacerdote celestial Kim Min Gyu para se adaptar à vida de ídolo. Embora seja uma premissa interessante, a série perdeu seu fôlego ao longo do tempo. Infelizmente, as outras tentativas de The Heavenly Idol para envolver e entreter o público não foram tão eficazes.

Embora eu tenha uma perspectiva específica para assistir a este dorama, devo admitir que The Heavenly Idol é melhor na teoria do que na prática.

The Heavenly Idol 1

Veredito Detalhado:

O que inicialmente me fez prestar atenção em The Heavenly Idol foram os trailers e o fato de Kim Min Gyu ser o protagonista. Como jornalista e crítico de doramas, sempre fui fã do charme meio desajeitado de Kim Min Gyu, especialmente depois de vê-lo em A Business Proposal.

A premissa excêntrica e divertida de The Heavenly Idol parecia promissora em todos os trailers. No entanto, a série não conseguiu cumprir o que prometeu, mesmo depois de ajustar minhas expectativas, algo que discutirei mais adiante.

Trilha Sonora: Um Acompanhamento Agradável de The Heavenly Idol

Em termos gerais, a trilha sonora de The Heavenly Idol é agradável, embora nenhuma das músicas tenha realmente me marcado ou tocado profundamente.

Para aqueles interessados, o álbum da trilha sonora de The Heavenly Idol está disponível para quem quiser ouvir enquanto lê esta análise.

Gerenciando Expectativas / A Lente de Visualização

The Heavenly Idol 2

Ao assistir The Heavenly Idol, comecei com uma perspectiva baseada em manhwa, que funcionou bem até certo ponto. Foi apenas no episódio 9 que tive um momento de revelação, lembrando-me do que havia dito sobre Bride of the Century: parecia uma peça séria escrita por um grupo de crianças.

Essa sensação é quase a mesma aqui com The Heavenly Idol. Imagine um grupo de pré-adolescentes recebendo a tarefa de escrever o roteiro para esta série. O objetivo é criar uma história de ação e fantasia, com pontos extras se conseguirem incorporar o conceito de Makjang. A lógica é bem-vinda, mas não essencial.

The Heavenly Idol 3

O que inspiraria esses jovens? Claro, seus manhwas, seus videogames e suas imaginações férteis. Portanto, essa lente de manhwa acaba sendo útil para entender a experiência de assistir a The Heavenly Idol.

O lado positivo é que essa é uma lente adequada para usar com esta série. O lado negativo é que ela não transforma The Heavenly Idol na diversão descompromissada que fez com Bride of the Century.

Em vez disso, The Heavenly Idol se torna uma série onde me vejo como uma tia paciente, tolerando as várias imperfeições do show. É essa paciência que me mantém assistindo, apesar dos vários problemas de The Heavenly Idol.

Se você não se sente como um parente dessas crianças imaginárias ou não tem um carinho especial por Kim Min Gyu, talvez seja melhor dar uma chance a Bride of the Century.

Minha Abordagem para Esta Análise

The Heavenly Idol 4

Como um ávido espectador e crítico de doramas com formação em Jornalismo e uma paixão por dramas históricos, minha abordagem para esta análise de The Heavenly Idol é única. Eu busco ir além das superfícies e explorar as nuances que podem não ser imediatamente óbvias. Mesmo que The Heavenly Idol não tenha atingido todo o seu potencial, ele oferece uma janela interessante para a cultura pop coreana e os desafios de adaptar conceitos de manhwa para a tela pequena.

Decidi abordar esta análise de The Heavenly Idol de forma semelhante às minhas análises anteriores, mas com algumas modificações. Vou falar sobre o que gostei e o que não gostei, como de costume. No entanto, não vou me aprofundar nos personagens ou nas relações, pois não acredito que este dorama mereça tal atenção.

Além disso, vou discutir o que, na minha opinião, The Heavenly Idol poderia ter feito melhor em termos de narrativa, em vez do que realmente apresentou.

Espero que vocês gostem desta análise. ❤️

Para aqueles curiosos sobre minhas impressões detalhadas de cada episódio de The Heavenly Idol, minhas anotações estão disponíveis no Patreon.

Pontos Positivos (O Que Eu Gostei)

Kim Min Gyu: Um Adorável Desajeitado

The Heavenly Idol 5

Como mencionei anteriormente, Kim Min Gyu foi O motivo pelo qual decidi assistir a The Heavenly Idol. Sua interpretação de um sacerdote celestial que de repente se vê preso na vida de um ídolo em decadência foi definitivamente um dos grandes destaques da minha experiência.

Pessoalmente, acredito que Kim Min Gyu foi perfeitamente escalado para o papel. Ele tem uma vibe naturalmente desajeitada que se traduz muito bem no personagem Rembrary, o sacerdote bem-intencionado de seu próprio mundo, e na completa confusão de Rembrary quando ele é jogado no mundo de Woo Yeon Woo.

[Alerta de Spoilers Leves]

O que realmente me fascina em The Heavenly Idol é o contraste entre a fala sageuk (estilo de linguagem antiga coreana) de Rembrary e sua aparência desajeitada. Ele parece um filhote perdido, mas fala como uma alma antiga de sageuk. 😁

The Heavenly Idol 6

Acho bastante divertido que Rembrary seja completamente honesto sobre quem ele realmente é e de onde vem, sem qualquer filtro, para o desespero das pessoas ao seu redor.

Adoro a ideia de que as palhaçadas de Rembrary na verdade lhe rendem muita atenção da mídia e do público. Se ele tivesse sido Woo Yeon Woo seguindo as regras, certamente não teria recebido a mesma reação.

Outro aspecto que me agrada em The Heavenly Idol é que Rembrary ainda tem acesso aos seus poderes aqui na Terra. E acho muito fofo e hilário que os poderes de Rembrary sejam alimentados por chocolate. É algo tão inesperado e peculiar que me faz adorar ainda mais o personagem.

The Heavenly Idol 7

Um dos meus momentos favoritos em The Heavenly Idol é no episódio 4, quando Rembrary aperta a mão de uma fã e percebe que ela está doente. Ele então a cura ali mesmo, através do toque de suas mãos. Isso é tão puro e emocionante; adoro o quão grande e bondoso é o seu coração. 🥹

[Fim dos Spoilers Leves]

Um Bônus Musical

Como bônus, esta é a primeira vez que ouço Kim Min Gyu cantar em The Heavenly Idol, e ele soa incrível! 🤩

Não deveria me surpreender, já que li que ele originalmente treinou para ser um ídolo, mas ainda é maravilhoso ouvir sua voz cantada pela primeira vez. 🥰

The Heavenly Idol 8

As Aventuras de Um Peixe Fora d’Água no Mundo do K-Pop

The Heavenly Idol 9

Com a premissa de The Heavenly Idol, as peripécias relacionadas ao K-pop são praticamente uma mina de ouro de entretenimento. Eu me diverti bastante com esses elementos por três razões:

  1. As reações de Rembrary como um “peixe fora d’água” são excelentes.
  2. The Heavenly Idol consegue fazer uma crítica leve à indústria sem exagerar.
  3. Temos um vislumbre (admitidamente estilizado) dos bastidores da indústria do K-pop, o que achei interessante, especialmente porque não sou um grande conhecedor do K-pop.

[Alerta de Spoiler]

The Heavenly Idol 10

A forma como The Heavenly Idol faz uma crítica sutil à indústria do K-pop é bastante interessante. Por exemplo, Rembrary reage com horror às condições de vida apertadas do grupo e às dietas rigorosas às quais são submetidos. Ele serve como um novo par de olhos que processa e critica essas condições, que sabemos serem verdadeiras no mundo do K-pop.

Outro momento que me chamou a atenção foi quando Rembrary fica horrorizado ao ser instruído a exibir uma “vibe maligna” durante uma sessão de fotos. Isso nos faz refletir sobre como os ídolos são moldados para se encaixar no que é considerado atraente e lucrativo, mesmo que isso vá contra seus valores pessoais.

The Heavenly Idol também tem um toque de humor nisso, o que me faz pensar se Rembrary conseguirá fazer seu nome como ídolo e ator sem seguir as regras da indústria.

The Heavenly Idol 12

Também gostei de como Dal (interpretada por Go Bo Gyeol) ensina a Rembrary os truques do ofício, desde como posar para a câmera até como sempre parecer perfeito. Isso me fez pensar se os verdadeiros ídolos também precisam aperfeiçoar essa habilidade. Honestamente, eu nunca tinha pensado nisso; sempre presumi que eles simplesmente pareciam ótimos sem fazer esforço.

The Heavenly Idol 13

[FIM DO SPOILER]

Um Toque Suave de Humor

The Heavenly Idol 14

O que mais me chama a atenção sobre o senso de humor de The Heavenly Idol é sua suavidade. O show consegue ser engraçado e crítico da indústria do K-pop, mas faz isso de uma forma gentil e moderada. Não é agressivamente engraçado ou crítico; é sutilmente ambas as coisas. Isso funciona para mim.

O resultado é que, mesmo quando não acho as tentativas de humor do show particularmente engraçadas, elas atuam mais como pequenos solavancos na estrada que são fáceis de superar, em vez de serem explosões que me fazem querer me afastar. E quando acho engraçado, me pego rindo baixinho junto com o show.

[Alerta de Spoiler]

No episódio 5 de The Heavenly Idol, há momentos quase descartáveis que são bastante divertidos. Por exemplo, quando Sun Ja (interpretada por Ye Ji Won) pergunta a Rembrary: “Yeon Woo, quem você salvou?”, e ele responde serenamente: “Todos”. 😁

O humor está principalmente na atitude tranquila de Rembrary ao dizer isso, enquanto todos ao seu redor estão ou emocionados com a atenção da mídia ou, como no caso de Dal, estressados com os riscos potenciais dessa atenção.

Mais tarde, a reação de Rembrary ao aegyo — como se seus olhos tivessem sido queimados pelo fogo de mil sóis — é realmente muito engraçada. Além disso, acho isso pessoalmente identificável, porque às vezes é exatamente assim que me sinto em relação ao aegyo agressivo. 🙈😅

Sua luta com o aegyo e a expectativa de que ele o execute me diverte e também me faz pensar em quantos ídolos por aí realmente se identificam com essa luta. Talvez haja ídolos que reajam instintivamente ao aegyo, como Rembrary, e se forcem a fazê-lo.

The Heavenly Idol 16

[Fim do Spoiler]

Lee Jang Woo como o “Cara Malvado”

The Heavenly Idol 17

Outro aspecto que quero destacar é a escalação de Lee Jang Woo para o papel do “Cara Malvado” em The Heavenly Idol. Acredito que foi um golpe de mestre.

Lee Jang Woo é um ator talentoso que consegue canalizar o mal de forma convincente, mas também tem um ar levemente desajeitado. Adoro o contexto meta de que ele é realmente meio desajeitado na vida real. Segundo o episódio 397 do programa “I Live Alone”, onde ele foi convidado (ao lado de Junho, o que é como eu sei 😁), ele é obcecado por comida e evita exercícios, o que faz com que ele recupere rapidamente qualquer peso que consiga perder.

Sabendo disso, acho extremamente divertido vê-lo interpretar o “Cara Malvado”, que é supostamente ameaçador, poderoso e sombrio, e que fica elegante em um terno bem cortado — mas que ainda tem um toque de rechonchudez, graças à fraqueza de Lee Jang Woo por boa comida. 😁

Essa pitada de desajeitamento é PERFEITA para o personagem, pois sempre tenho a impressão de que seus Grandes! Planos! Maléficos! estão prestes a ser frustrados pelo inocente Rembrary.

O Que Ficou na Média

Agora, permitam-me abordar alguns aspectos de The Heavenly Idol que considero apenas “ok”, sem serem particularmente notáveis ou decepcionantes. Esses são os elementos que contribuem para a trama e o desenvolvimento do personagem, mas não necessariamente se destacam ou elevam o show a novos patamares.

A Tentativa de Romance do Show [Alerta de Spoilers Amplos]

The Heavenly Idol 19

Em princípio, não tenho problemas com Go Bo Gyeol como nossa protagonista feminina, nem com a ideia de um romance entre seu personagem, Dal, e Rembrary em The Heavenly Idol.

Na verdade, gosto que Go Bo Gyeol tenha a oportunidade de atuar como protagonista feminina e mostrar mais de sua personalidade e alcance do que em “Hi Bye, Mama”, onde ela era uma coadjuvante bastante reservada.

Também apreciei como o show trabalhou para colocar Rembrary e Dal do mesmo lado; achei isso bem feito.

No entanto, a introdução do romance na trama foi estranha e desajeitada. Pareceu surgir do nada, pulando qualquer tipo de desenvolvimento orgânico para nos dar marcos súbitos do OTP (One True Pairing) como sentimentos, confissões e beijos.

Frequentemente me peguei pensando: “Uau, de onde veio isso?” em resposta aos marcos do OTP que apareciam na tela. 😅

O tratamento do relacionamento OTP é puro e inocente, sim, mas sem o devido desenvolvimento ou contexto, esses momentos pareceram vazios e, para ser honesto, bastante sem sentido.

E Então…

Uma vez estabelecido o romance, ele tem um sabor estranho e adolescente. Não é apenas que Rembrary e Dal não sabem o que fazer com seus sentimentos; os roteiristas do show também parecem perdidos.

Em vez de realmente explorar os sentimentos e a dinâmica entre Rembrary e Dal, o foco muda para intensificar o conflito sobrenatural.

Isso definitivamente não é como eu prefiro que um relacionamento OTP seja abordado em um dorama.

The Heavenly Idol 21

A Tentativa do Show de Criar um Segundo Romance

The Heavenly Idol 22

Eu realmente gosto de Ye Ji Won, mas senti que The Heavenly Idol fez um desserviço ao personagem dela, Sun Ja. Pareceu que o show estava zombando dela como uma mulher solteira mais velha, e achei as piadas a seu respeito de mau gosto.

É principalmente por isso que não me apeguei ao romance que o show tenta formar entre Sun Ja e Seon Woo Sil (interpretado por Tak Jae Hoon). Além disso, simplesmente não achei as tentativas de humor em torno desse romance muito divertidas.

Em geral, gosto da ideia de romances de segunda chance, mas achei que este foi forçado e exagerado para o meu gosto.

O Principal Problema do Show

Claro, sua experiência pode variar dependendo do que você gosta em seus doramas, mas pessoalmente, senti que o principal problema de The Heavenly Idol foi gastar tempo demais no conflito sobrenatural, em vez de focar no aspecto do “ídolo celestial”.

Tudo estava bem até o episódio 5, quando comecei a desejar que o show reduzisse o conflito sobrenatural com o “Cara Malvado”, porque eu realmente queria mais travessuras terrenas envolvendo nosso sacerdote celestial.

Prefiro a ideia de um “peixe fora d’água” em vez de todo o conflito sobrenatural. Pior ainda, à medida que a história avança, o show intensifica cada vez mais o conflito sobrenatural.

The Heavenly Idol 24

Isso é basicamente o oposto do que eu queria que acontecesse. Acredito que eu (e provavelmente muitos outros espectadores) teríamos gostado muito mais deste show se ele tivesse focado nas travessuras terrenas.

O Que Eu Acho que o Show Deveria Ter Feito [Alguns Spoilers]

Nesta próxima seção, vou falar sobre como eu teria desenvolvido esta história se fosse eu quem estivesse no comando de The Heavenly Idol. 😁

Ouçam-me bem nesta. Acredito que minha versão da história tem o potencial de ser um drama bastante impressionante.

Por volta do episódio 4, um psiquiatra diagnostica que Woo Yeon Woo está sofrendo de Transtorno Dissociativo de Identidade e que Rembrary é uma segunda personalidade que ele criou para se proteger psicologicamente e fugir da realidade.

Adoraria se The Heavenly Idol tivesse seguido essa linha e usado isso como a verdadeira explicação por trás de toda a nossa história — mas só revelasse essa reviravolta perto do final, como um divisor de águas.

Então, teríamos Woo Yeon Woo, sob muito estresse devido às demandas da vida no k-pop, que cria Rembrary como uma segunda personalidade. Ele realmente acredita que é um sacerdote de outro mundo, chamado para curar os outros.

The Heavenly Idol 26

Conforme ele continua a ser esse Pontífice de um mundo diferente, com poderes de cura, são as outras pessoas ao seu redor que precisam se ajustar à sua realidade.

Adoraria explorar como Rembrary continua a ser ele mesmo, sem se preocupar com as regras do mundo do entretenimento coreano, e ainda assim consegue sucesso. Não seria uma mensagem saudável e incrível?

Poderíamos ter todas aquelas cenas em que Rembrary, não acostumado a ser limitado, pensa fora da caixa naturalmente. Como quando ele reescreve a letra de uma música para algo mais saudável e edificante.

Poderíamos ter cenas de Rembrary canalizando seu poder nas músicas que canta, de modo que tenha um efeito mágico e edificante nas pessoas. Ele acredita que é seu poder sobrenatural, mas é realmente o coração em sua música que comove as pessoas.

The Heavenly Idol 27

Não seria incrível se ele usasse seus “poderes de cura” através de sua música e literalmente começasse a curar o mundo? 🥰

E então, teríamos a Grande Revelação de que Rembrary é realmente uma segunda personalidade de Yeon Woo. Tudo o que vimos é apenas de sua perspectiva, enquanto na realidade, Yeon Woo sofre de Transtorno Dissociativo de Identidade.

No geral, isso não tornaria a história potencialmente provocativa e comovente, por baixo de todas as travessuras divertidas?

Se bem executado, isso poderia transformar The Heavenly Idol em um drama Incrível, com um “I” maiúsculo.

The Heavenly Idol 28

Reflexões Sobre o Final [Spoilers]

The Heavenly Idol 29

Ao chegar à reta final de The Heavenly Idol, devo confessar que meu entusiasmo inicial com a premissa do dorama e a lente de visualização que eu havia encontrado já haviam praticamente desaparecido.

Para ser brutalmente honesto, achei um tanto trabalhoso chegar ao final do episódio 11. 😅

A razão pela qual persisti foi a curiosidade de ver como o dorama planejava concluir essa história; ou seja, como chegaríamos ao final feliz que eu estava tão certo de que seria apresentado?

Fui um tanto recompensado com o episódio 12, que nos traz a reviravolta de que Woo Yeon Woo sempre foi um aspirante a Pontífice chamado Ardor (participação especial de Kim Bup Rae), que veio à Terra com a imagem de Rembrary para tentar arruiná-lo.

Hahaha. A ideia me divertiu bastante, para ser sincero. Acho que essa foi a surpresa mais engraçada que o dorama conseguiu me oferecer.

The Heavenly Idol 30

E que divertido que Ardor tentou tão arduamente ser um ator, porque queria incitar ódio nas pessoas, conforme sua missão de Redrin, mas acabou preso como um ídolo, porque Rembrary tem um rosto de ídolo. Pfft.

Estava muito menos interessado na ideia de que Redrin sempre foi mal desde o início, porque isso já foi feito em tantos outros doramas que soou bastante previsível.

Dado que eu estava usando minha lente de “Peça Séria Infantil”, também não me incomodei com o fato de o dorama ser vago ou impreciso em detalhes lógicos, como o reaparecimento de Dal no final da nossa história, quando ela havia desaparecido antes (tipo, para onde ela foi e como voltou?).

No final das contas, é suficiente que, graças ao toque curativo de Rembrary, ela recupera parte de suas memórias para reconhecê-lo, e graças à pulseira que ainda está usando, ele consegue se lembrar dela também.

The Heavenly Idol 31

Mais uma vez, estou ignorando o canto do meu cérebro que se pergunta como tudo isso funciona, porque, afinal, é uma “Peça Séria Infantil”.

No geral, este não foi o passeio divertido pelo qual eu havia me inscrito, mas também não foi a coisa mais terrível que já assisti.

Claro, a experiência de cada um pode variar, mas estou bastante certo de que a maioria dos espectadores sairá deste dorama pensando que ele teria se saído muito melhor se soubesse a hora de parar. 😛

The Heavenly Idol 32
The Heavenly Idol 33

O Veredito Final:

Divertido em alguns momentos, mas em grande parte decepcionante.

Nota Final: C+

TEASER:

MV:

Com base no artigo da The fan girl veredict

Deixe um comentário