Are You Human Too? Uma Jornada Inesperada no dorama

Are You Human Too capa

Veredito Rápido:

“Are You Human Too?” é uma série que mantém um ritmo acelerado, com um roteiro bem elaborado e cheio de reviravoltas e momentos de tensão. Claro, você precisa estar disposto a embarcar em uma trama que envolve robôs e uma dose considerável de melodrama.

Mas, olhando pelo ângulo certo, essa série é extremamente envolvente. Confesso que aguardava ansiosamente pelos novos episódios, mais do que qualquer outro dorama que estava acompanhando na época.

Seo Kang Joon entrega uma atuação impecável, mostrando um talento que eu sinceramente não sabia que ele possuía. Só por ele, já vale a pena dar uma chance à série.

É uma experiência muito mais emocionante do que eu inicialmente imaginava.

Are You Human Too 1

Veredito Detalhado de Are You Human Too? :

Nunca diga nunca, certo?

Se alguém tivesse me dito antes de assistir “Are You Human Too?” que eu, um crítico que sempre foi cético em relação à onda de robôs em Dramaland, ficaria completamente envolvido em uma história de amor robótico, eu teria duvidado.

E se essa mesma pessoa tivesse me dito que eu, que nunca fui um grande fã das atuações de Seo Kang Joon em “Cunning Single Lady” e “Beauty Inside”, ficaria absolutamente impressionado com sua performance em “Are You Human Too?”, eu também teria sido cético.

Mas, vejam só, agora que terminei de assistir “Are You Human Too?”, posso afirmar com toda a certeza que ambas as afirmações são verdadeiras. Fiquei genuinamente surpreso e encantado com a série e, especialmente, com Seo Kang Joon. Que grata surpresa!

Álbum da Trilha Sonora: Para o Seu Deleite Auditivo

Se você quiser tornar a leitura desta análise ainda mais imersiva, aqui está o álbum da trilha sonora de “Are You Human Too?” para você ouvir enquanto lê.

Ajustando o Foco da Análise

Are You Human Too 2

Para aproveitar ao máximo “Are You Human Too?”, fiz alguns ajustes na minha abordagem. Esses ajustes realmente aumentaram meu prazer ao assistir a série, e muito.

Nota: Nesta análise, vou me referir ao Shin robô como Namshin e ao Shin humano como Shin. Tentei usar RoboShin e HumanShin, mas esses termos simplesmente não me agradaram. Então, ficaremos com Namshin e Shin. 😉

1. Dramático e Fantástico

Primeiramente, é crucial entender que o universo deste dorama é decididamente fantástico. O cenário é futurista e exagerado, e ainda por cima, há uma história melodramática.

Portanto, é inútil questionar se tal tecnologia poderia realmente existir ou se faz algum sentido que [SPOILER] uma mãe, que também é uma espécie de Einstein da Inteligência Artificial, criaria uma versão robótica de seu filho para se consolar quando o filho real é tirado dela. [FIM DO SPOILER]

Com meu foco ajustado para aceitar o absurdo e o incrível, além de uma boa dose de angústia melodramática, fiquei agradavelmente surpreso com o primeiro episódio de “Are You Human Too?”.

Na verdade, gostei tanto que quis assistir ao segundo episódio imediatamente. Isso raramente acontece comigo em relação a doramas atualmente, então considerei isso um grande ponto positivo.

2. Suspensão de Descrença Necessária

Dado o enredo fantasioso de “Are You Human Too?”, não é surpresa que seja necessário suspender a descrença. Às vezes, essa suspensão era necessária em maior grau do que em outros momentos, mas basicamente, achei necessário fechar um olho – e ocasionalmente ambos – para os saltos lógicos da série.

Aqui estão alguns exemplos:

[ALERTA DE SPOILER]

E4. Namshin em Modo Desastre (Seo Kang Joon) não ficaria parado no meio de um prédio em chamas; ele tiraria So Bong (Gong Seung Yeon) de lá.

E considerando que ela estava presa e aterrorizada, temendo seriamente por sua vida, ela também não teria tempo para sentir borboletas no estômago, sério.

E5. A Emboscada Fantástica

A cena em que emboscam a ambulância e Namshin, para depois apresentá-lo como um paciente humano em cirurgia, é pura fantasia. Além disso, há um descuido neste episódio: Namshin é liberado e reconhece as garotas que ele salvou, repetindo até a frase que disse a uma delas durante o resgate. Mas ele não deveria se lembrar do que fez no Modo Desastre, certo? Minha teoria é que ele conseguiu entender o que aconteceu pesquisando artigos e entrevistas com as garotas resgatadas.

E6. A Escolha da Guarda-Costas

Não me parece razoável que So Bong consiga o cargo de guarda-costas apenas porque implorou por ele. Se eles não confiam totalmente nela, poderiam tê-la contratado como uma guarda comum, em vez de guarda-costas pessoal de Shin.

E18. O Carro Sem Motorista

Como o carro sem motorista conseguiu sair de sua exibição no andar de cima para o estacionamento no subsolo? Isso é um pouco forçado.

[FIM DO SPOILER]

3. Abraçar o Estranho

Para aqueles que me seguem no Twitter, provavelmente já sabem que me deparei com um tópico sobre “Are You Human Too?” nos primeiros dias de minha maratona. Mesmo contendo alguns spoilers, fiquei absolutamente encantado.

Vendo tudo sob uma perspectiva tão absurda e divertida, não pude deixar de achar tudo ainda mais interessante e cativante na tela.

Em resumo, se você se permitir abraçar o estranho, provavelmente terá um ótimo momento assistindo a este dorama.

Coisas que Gostei

Ritmo e Execução Geral

A primeira coisa que notei em “Are You Human Too?” foi o quão brilhante e polido tudo parece, mesmo com o desafio de apresentar uma grande quantidade de tecnologia.

Os efeitos de CGI são convincentes, e gostei da coesão geral; nunca me senti desconectado da série por algo parecer barato ou malfeito.

Uma das coisas que mais valorizo em um dorama é a coesão narrativa, algo que muitas séries filmadas ao vivo não conseguem alcançar. Felizmente, “Are You Human Too?” não sofre desse problema. Tive a impressão de que a roteirista sabia exatamente a história que queria contar e teve a oportunidade de fazê-lo. Acredito que o fato de a série ser completamente pré-produzida contribuiu bastante para isso.

Fiquei também muito agradavelmente surpreso com o ritmo da série. As coisas acontecem rapidamente, e nunca senti que a série estava apenas enrolando para ganhar tempo, algo que muitos doramas tendem a fazer.

Em vez disso, “Are You Human Too?” mantém um ritmo acelerado, e frequentemente, as coisas acontecem mais rápido do que eu esperava.

[ALERTA DE SPOILER]

Por exemplo, fiquei surpreso com a rapidez com que So Bong descobriu a existência de Namshin. Pensei que ela ficaria no escuro por mais tempo, mas já no episódio 7 (basicamente após pouco mais de 3 horas de tela), ela já estava por dentro de tudo.

[FIM DO SPOILER]

Isso definitivamente ajudou a manter meu interesse; simplesmente não tive tempo para me entediar.

Outro aspecto que realmente gostei foi a forma como a série lida com os cortes de episódios. Muitos kdramas mudaram para o formato de episódios de meia hora, mas a maioria não cria cliffhangers para o final desses episódios de meia hora.

Não é o caso de “Are You Human Too?”.

Aqui, frequentemente senti que havia cliffhangers bem elaborados até mesmo para o meio da hora (ou seja, os episódios ímpares), o que me permitiu realmente aproveitar os episódios de meia hora separadamente, se necessário, sem sentir que parei no meio de uma cena. Achei isso excelente.

Além disso, preciso dar os devidos créditos à roteirista. “Are You Human Too?” apresenta algumas reviravoltas surpreendentes que eu realmente gostei.

Não eram reviravoltas óbvias que você poderia prever de longe, nem eram do tipo absurdo que não combinava com as informações apresentadas anteriormente. Pessoalmente, achei as reviravoltas deste dorama muito bem feitas, e gostei da emoção de ser surpreendido.

[ALERTA DE SPOILERS GRANDES]

Aqui estão três das minhas reviravoltas favoritas na série:

E12. O Avô Fingindo Demência

O avô (Park Young Kyu) apenas fingindo ter demência foi algo que eu realmente não esperava, mas devo dizer que se encaixa perfeitamente com o personagem.

E19. O Patrocinador Misterioso

O avô não apenas sendo o patrocinador que financiou toda a IA que compõe Namshin, mas também mantendo o cérebro inteiro de Namshin nas instalações de sua empresa. Uau.

E23. A Revelação sobre Shin

A reviravolta de que Shin já estava acordado há algum tempo e, portanto, em boa forma para realizar a troca no final do episódio 22. Muito bem jogado, “Are You Human Too?”. Muito bem jogado.

[FIM DOS SPOILERS]

Seo Kang Joon como Humano e Robô

Are You Human Too 4

Estou oficialmente impressionado com Seo Kang Joon, pessoal.

Como disse no início desta análise, não tinha grandes expectativas sobre suas atuações em “Cunning Single Lady” e “Beauty Inside”. E mesmo achando sua performance sólida em “Cheese In The Trap”, não era algo que eu elogiaria efusivamente, sabe?

BEM. Que fique registrado que acho Seo Kang Joon FANTÁSTICO em “Are You Human Too?”.

Ele é extremamente eficaz ao retratar os dois Shins diferentes. Em seu olhar, microexpressões, linguagem corporal e vibe geral, ele torna fácil para mim distinguir entre humano e robô, já desde o episódio 1.

Não só ele é muito bom em retratar os dois personagens diferentes, como também é impressionantemente hábil em alternar entre o modo Shin e o modo Namshin de forma tão instantânea que me peguei impressionado todas as vezes.

Um momento ele está todo pensativo e irônico como Shin, e no momento seguinte, ele está completamente inocente como Namshin. Além disso, achei fácil identificar quando ele era Shin e quando era Namshin; tudo parecia esforçado e natural para mim. Isso é talento.

Além de tudo, estou muito impressionado com Seo Kang Joon por conseguir inspirar uma ampla gama de emoções em mim.

Are You Human Too 5

A Versatilidade de Seo Kang Joon

Quando ele está no modo Shin Odioso, sinto-me completamente repelido por ele. E então, dois segundos depois, quando ele se transforma em Namshin Doce, meu coração se enche de uma ternura derretida. Sério, isso é realmente impressionante, de qualquer forma que você olhe.

Por um tempo, me perguntei se as personalidades muito diferentes dos dois Shins tornavam mais fácil para Seo Kang Joon interpretar os dois personagens de forma tão eficaz.

Bem, o episódio 35 colocou essa ideia para descansar. Em uma sequência de fantasia, vemos ambos os Shins sentados um de frente para o outro em uma mesa, ambos felizes, com olhos claros e sorridentes.

E AINDA ASSIM, eu pude instantaneamente dizer qual Shin era qual, pelos olhares em seus olhos e pelas pequenas diferenças em suas expressões. SIMPLESMENTE INCRÍVEL, eu diria.

[ALERTA DE SPOILER]

A Jornada de Crescimento de Namshin

Are You Human Too 7 early

Além da performance fantástica de Seo Kang Joon, a jornada de crescimento de Namshin foi absolutamente a minha coisa favorita neste dorama.

Eu estava muito mais interessado no desenvolvimento de Namshin e em seus vários marcos de independência e autonomia pessoal do que no crescente romance entre ele e So Bong, embora isso também fosse fofo (falaremos mais sobre isso mais tarde).

Para entender melhor por que me afeiçoei tanto a Namshin, pensei em falar primeiro sobre as coisas iniciais que me cativaram, antes de mergulhar em seus marcos de independência, que realmente conquistaram meu coração.

Primeiras Impressões

Se você tem lido minhas análises, deve ter notado que tenho uma queda por protagonistas masculinos que são inteligentes e capazes. Pontos extras se eles têm algum tipo de habilidade sobre-humana.

Então, embora eu nunca tivesse escolhido um protagonista robô como algo que realmente me agradaria, descobri que Namshin preenchia muitos dos requisitos certos para mim.

Ele é Inteligente

Desde o início, gostei do fato de Namshin ser consistentemente rápido em entender as coisas. Sim, é verdade que ele tem a vantagem de poder “googlar mentalmente” tudo o que precisa, mas (a) considero isso parte de suas habilidades sobre-humanas e (b) ele faz um trabalho melhor como herdeiro de um chaebol do que o próprio Shin humano.

Ele é Quase um Super-Herói

Às vezes, Namshin assume o papel de herói, e devo admitir que o Namshin Herói é realmente muito legal.

Nos episódios 4 e 5, ele literalmente entra em um prédio em chamas para salvar todos e sai carregando So Bong no estilo “princesa” – até que ele desliga devido aos danos que sofreu. Muito legal.

E então, no episódio 8, adorei a forma como ele pula entre os carros e até é arrastado pelo chão pelo carro desgovernado, tudo em nome de salvar o dia.

Eu sabia que Namshin é um robô e, portanto, foi programado para agir de uma determinada maneira em caso de emergência, e também sabia que, como robô, ele não sente dor. Mas eu torci pelo Namshin Herói e fiquei com estrelas nos olhos de qualquer maneira.

Ele é Amigável e Sincero

Uma das minhas coisas favoritas sobre Namshin é o quão amigável e sincero ele é.

Embora ele seja um robô e, portanto, poderíamos supor que tudo isso faz parte de sua programação, também é verdade que Namshin começa a mostrar personalidade muito cedo na série.

Como no episódio 7, quando ele já havia praticado com Young Hoon (Lee Joon Hyuk) como esperar que a porta do carro fosse aberta para ele e se esquece de fazer isso.

Eu esperaria que um robô tivesse essa informação aprendida perfeitamente memorizada, mas Namshin simplesmente não se comporta da maneira que se esperaria de um robô.

Ele mostra personalidade e estados de ânimo, como quando entra na sala no episódio 6, sem outra razão senão brincar com o IOI. Além disso, adoro o quão amigável e sincero Namshin é. Achei ótimo quando ele faz amizade com o robô de limpeza, no mesmo episódio. Muito fofo.

Além disso, consistentemente ao longo da série, Namshin se anima visivelmente quando acha que fez algo bem. Nesse sentido, ele é meio que como um bebê fofo. E quem pode resistir a um bebê fofo, certo?

Há Algo Comovente e Melancólico Nele

Talvez o maior gancho emocional para mim seja o meu desejo reflexo de torcer pelo azarão, e aqui, Namshin é claramente o azarão, mesmo sendo também o robô com habilidades sobre-humanas.

Há um momento no episódio 10, quando Namshin congela no meio da travessia, simplesmente porque So Bong lhe disse para não se mover.

Aquela cena em que ele simplesmente fica lá, sem se mover, no meio de toda a buzina do trânsito parado, é bastante melancólica. Parece que Namshin realmente está sozinho, que ninguém o entende, e parece que ele foi abandonado; eu não pude deixar de sentir por ele.

Mais tarde, a ajuda que ele pede a So Bong é muito mais do que evitar ser detectado pelo Diretor Seo (Yoo Oh Sung). É para ajudar os outros a não terem medo dele. Ah.

Ver tal pureza sincera, mesmo no contexto de sua solidão, realmente me atingiu em cheio no coração. Eu estava perdido, para dizer o mínimo. Eu sempre estaria do lado de Namshin.

Marcos Favoritos

Are You Human Too 8 - favorite milestones

Há tantas vezes em que a jornada de crescimento de Namshin me agradou muito que eu não tinha certeza de como dividir isso nesta seção. No final, decidi dividir tudo em categorias, por assim dizer, dos tipos de momentos que achei especialmente encantadores.

Ele Mostra que é Mais Inteligente que os Humanos

Toda vez que Namshin demonstrava ser mais inteligente que os humanos ao seu redor, eu sentia um certo arrepio. É aquela coisa de querer torcer pelo azarão, sabe?

As expressões nos rostos dos humanos são quase sempre impagáveis, como no episódio 8, quando Young Hoon percebe que Namshin fez a coisa mais sensata ao não ouvir as instruções que Young Hoon lhe dera especificamente sobre não sair de casa.

Também adorei o momento no episódio 13, quando Namshin elabora um plano que efetivamente vira a mesa sobre o Diretor Seo. Quão legal é isso?

Adoro que, ao longo de nossa história, Namshin se mostra cada vez mais inteligente – e mais tarde até toma decisões tão astutas que sua genial mãe (Kim Sung Ryung) não consegue acompanhá-las. Eu adoro isso.

Ele Mostra que Está Desenvolvendo Sentimentos

Embora Namshin seja programado para não ter sentimentos, e embora ele e os humanos ao seu redor continuem enfatizando que ele não tem sentimentos, vemos que Namshin os desenvolve de qualquer maneira, ao longo da série.

Por exemplo, toda vez que Namshin olha melancolicamente para a Mãe quando ela está com Shin, é tão comovente.

À medida que avançava nos episódios da série, ficava claro para mim, como espectador, que Namshin sempre foi criado como um substituto e era destinado a ser apreciado como um substituto. Ele não foi criado em si e para si, nem nunca foi apreciado por si mesmo. Isso é triste.

E é ainda mais triste que Namshin pareça entender isso e sinta um anseio em querer que a Mãe goste dele por ele mesmo.

Claro, a outra grande forma de observarmos os sentimentos crescentes de Namshin é sua relação amorosa com So Bong. Falarei mais sobre isso em breve.

Mas por enquanto, deixe-me apenas dizer que as nuances de expressão de Namshin – o jeito como ele sorri, o jeito como seu olhar oscila – dizem muito sobre como ele responde a So Bong.

Sempre que ele respondia a So Bong dessa forma, eu não podia deixar de sentir que ele tinha sentimentos, independentemente do que a Mãe Gênio estava dizendo.

Acho que So Bong colocou da melhor forma quando explicou a Namshin; que ele está aprendendo sobre seus sentimentos, assim como muitas pessoas precisam aprender sobre seus sentimentos também.

Ele Mostra Discernimento

Um dos marcos mais impressionantes que Namshin alcança, na minha opinião, é a capacidade de discernir.

No episódio 24, a Mãe faz um show cruel e diz a Namshin para ir embora e nunca mais voltar, ou ela morrerá.

Em vez de levar suas palavras ao pé da letra, o que se esperaria de um robô, Namshin consegue perceber que a Mãe está mentindo, apesar de todas as palavras duras e apesar da frente cruel que ela coloca. Achei isso notável. Ele é essencialmente mais perspicaz do que o humano médio.

E então, no episódio 25, Namshin mostra sinais de ser mais atencioso e considerado do que o humano médio também, percebendo que a Mãe está com dor de cabeça e comprando remédios para ela sem ser solicitado. Achei isso muito cativante.

Toda vez que Namshin demonstrava ser mais perspicaz do que o humano médio, eu não podia deixar de me sentir orgulhoso dele por isso.

Ele Mostra que Está Desenvolvendo Autonomia e Muita Astúcia

Talvez o aspecto mais importante da jornada de Namshin seja o desenvolvimento de sua autonomia pessoal.

Afinal, isso o liberta da dependência de seus cuidadores humanos para tudo.

Claro, ele ainda precisa da intervenção deles quando se machuca e precisa de conserto, mas, na verdade, é quando os humanos também precisam de outros humanos, então não considero sua incapacidade de se consertar como um ponto negativo.

Quando Namshin começa a criar novas regras para si mesmo – como proteger So Bong nos episódios 15 e 16 – isso significa que ele está essencialmente mudando sua própria programação e rompendo com o que foi projetado em seu sistema operacional. Isso é enorme.

Além de desenvolver autonomia pessoal, Namshin também se torna impressionantemente astuto ao lidar com situações e pessoas, e eu gostei de vê-lo colocar as coisas – e as pessoas – em seus devidos lugares, conforme ele achava adequado.

Aqui estão algumas vezes em que fiquei muito impressionado com Namshin e sua marca de astúcia:

E15-16. Namshin ficar chateado porque So Bong é maltratada já é algo. Mas Namshin ser capaz de encontrar uma maneira de corrigir as coisas, sem revelar a verdade e enquanto coloca a vendedora autojusta em seu lugar, é realmente impressionante.

E17. Adoro que Namshin está mostrando mais astúcia em como reagir contra os humanos, sem revelar sua identidade. A forma como ele respondeu ao cara desagradável que queria o número de So Bong é tão crível quanto o humano Shin.

E20. Adoro como Namshin está se comportando. A Mãe pode estar chateada por ele não obedecer a cada palavra dela, mas ele se sai muito bem.

Ao se encontrar com Seo Jong Gil, ele está completamente imperturbável e responde às perguntas de Seo perfeitamente; ele é confiante, vago quando lhe convém e completamente irritante, do ponto de vista de Seo.

E28. Também estou impressionado com a forma como Namshin conversa com David (Choi Duk Moon) sobre todo o assunto do Gramps saber. Ele é tão firme e até diz a David que não precisa de um pai que mente para sua família. Quero dizer, isso é tão humano!

No episódio 31, senti pena de Namshin porque ele parece assustado depois de ter sido usado para machucar as pessoas. Mas, por outro lado, ele mostra que é capaz de questionar sua programação e suas regras.

E ele até demonstra que estaria disposto a se jogar de um prédio – e se destruir – para parar de machucar as pessoas.

Em primeiro lugar, isso é basicamente colocar seus valores em ação, o que é mais do que a maioria dos humanos consegue fazer. E, em segundo lugar, AUGH. Oh, Namshin… oh, meu coração. Quão puro ele é?

Simplesmente não pude deixar de entregar meu coração a este robô, em uma bandeja.

[FIM DO SPOILLERS]

O Florescimento do Romance Entre Humano e Robô

Are You Human Too 10 the burgeoning

Acredito que essa relação amorosa precisa de alguma racionalização, já que é, afinal de contas, um romance entre um humano e um robô. Vi até alguns tweets sugerindo que esse dorama poderia ser um longo comercial para robôs sexuais.

Embora eu entenda por que algumas pessoas possam pensar assim, pessoalmente não concordo. Confesso que tive que parar um ou dois momentos para entender isso na minha cabeça, mas no geral, eu estava totalmente de acordo com a série nesse aspecto do romance.

Gosto de como o roteirista abordou essa trama, construindo a conexão entre Namshin e So Bong. Desde a repulsa inicial, passando pela aceitação, amizade e, eventualmente, romance; achei essa progressão bastante razoável e aceitável.

Em particular, gostei de como a série construiu a amizade entre Namshin e So Bong antes de realmente explorar a ideia de romance. Isso definitivamente ajudou a eliminar qualquer sugestão de robô sexual, em minha opinião.

Outro fator importante para mim é o fato de a série se esforçar para nos mostrar que Namshin realmente tem consciência e autonomia pessoal, especialmente nos episódios finais. Ele não cuida de So Bong porque foi programado para isso; ele decide fazer isso por vontade própria.

Devido à clara demonstração de autonomia pessoal de Namshin, achei que não foi difícil torcer por esse romance. Porque ela é capaz de se importar com ele, e ele também é capaz de se importar com ela.

Sim, houve momentos em que me perguntei como seria o futuro deles.

[SPOILER]

E quando o pai de So Bong se refere a Namshin como seu futuro genro no episódio 34, também fiquei um pouco surpreso.

[FIM DO SPOILER]

No final das contas, decidi que, como se trata de uma história de fantasia, não precisava pensar demais sobre essas questões. Então, simplesmente me acomodei e aproveitei a jornada.

[ALERTA DE SPOILER]

Aqui estão alguns momentos do OTP (One True Pairing) que eu gostei:

E10. O teste do detector de mentiras, onde So Bong é pega observando Namshin tirar a roupa. Haha.

E10. A maneira como Namshin rejeita Ye Na é impagável. Agarrando So Bong para um beijo. Muahaha. Sim, isso realmente escalou rapidamente.

E10. Namshin ficando tão feliz que So Bong tem uma haste de aço na perna e, portanto, é um ciborgue e, portanto, um tipo de robô – assim como ele. Muito fofo.

E14. Namshin sendo tão leal a So Bong que ele não ouve facilmente outra pessoa, a menos que ela dê o aval. Aw. E So Bong está ficando cada vez mais protetora com ele também.

E16. Namshin se tornando consciente de por que ele criou uma regra para So Bong – porque ela é a única que o vê como ele realmente é. Ele nem mesmo inclui a mãe nessa equação. Aww.

E17. Namshin experimentando erros, pois continua vendo So Bong ao seu redor, depois que ela foi embora “de vez”. Tão triste e fofo.

E18. Namshin aparecendo em toda a sua glória durona para salvar So Bong. Eee!

E19. A conexão entre Namshin e So Bong parece real e merecida. Eu gosto muito. A forma como ele corre para salvá-la – desativando o modo manual, inclusive – e a forma como ela chora aliviada ao vê-lo e se entrega ao seu abraço. Esse momento parece grandioso.

Além disso, gostei muito do tom amigável, mas íntimo, de suas interações enquanto ele cuida dela no hospital. A conversa é fácil e familiar, e os sorrisos são brilhantes e desprotegidos. Adorei.

E22. Namshin se tornando mais sintonizado com as necessidades emocionais de So Bong e dando-lhe um abraço porque ele percebe que ela está prestes a chorar.

E então So Bong, no final, declarando que gosta dele. Eu realmente admiro So Bong por assumir seus sentimentos por Namshin e até dizer a ele que está tudo bem ele não sentir nada, porque ela não espera nada em troca por seus sentimentos.

Isso parece tão puro, incondicional e honesto.

E24. Namshin completamente focado em tirar So Bong de perto de Shin. Ele está sentindo ciúmes!! Eee! Eu adoro o Namshin ciumento e protetor. Ele não entende as emoções, mas definitivamente está agindo com base nas emoções que acha que não tem. Hee.

[FIM DO SPOILER]

COISAS QUE GOSTEI MENOS

Caracterização de So Bong

Are You Human Too 12 so bong

Uma das razões pelas quais eu não assisto muitos programas de variedades coreanos (ou qualquer programa de variedades, na verdade), é porque se eu vejo muito da personalidade de um ator, isso pode interferir na minha capacidade de acreditar em um personagem que ele possa interpretar na tela.

Embora eu não tenha visto muito de Gong Seung Yeon em nada antes disso (vi um pouco dela em Six Flying Dragons, que nunca terminei), eu assisti a alguns episódios de We Got Married, enquanto ela estava emparelhada com Lee Jong Hyun no programa.

Minha impressão dela na época era de que ela era super feminina e talvez até um pouco delicada.

Isso significa que, desde o início da minha experiência com a série, tive alguma dificuldade em aceitar sua interpretação de So Bong. Aos meus olhos, os esforços de Gong Seung Yeon para interpretar um personagem que é imediatamente apresentado como forte e rude pareciam um pouco forçados.

Tudo parecia bastante artificial e imposto, para mim.

[SPOILERS VAGOS]

Isso se tornou muito menos problemático à medida que eu avançava nos episódios da série, porque So Bong se suaviza muito como personagem e, portanto, é muito menos brusca e rude.

Acho que alguns espectadores acharam a transição dela de trapaceira endurecida para protetora sincera de robôs pouco natural, mas eu não tive o mesmo problema.

Dadas as circunstâncias sob as quais sua carreira como lutadora profissional terminou, eu poderia acreditar que ela se tornou desiludida e cínica como resultado, e que suas interações com Namshin eventualmente derreteram o amargor do passado e trouxeram sua melhor natureza de volta ao primeiro plano.

O que eu notei, no entanto, é que na segunda metade do show, So Bong mostra muito menos força física e tem muito menos o que fazer.

À medida que o drama em torno dos dois Shins e a guerra política dentro do Grupo PK se intensificam, So Bong é relegada a pouco mais do que ser um peão nos jogos.

Sua principal contribuição é em aceitar e apoiar Namshin, o que é importante, claro, mas eu não pude deixar de me perguntar o que aconteceu com sua habilidade de realmente chutar traseiros, como uma lutadora profissional aposentada. Isso foi bastante decepcionante.

[FIM DOS SPOILERS]

Ye Na como personagem

Eu meio que entendi logo nos primeiros episódios da série que Ye Na (interpretada por Park Hwan Hee) seria o tipo de personagem feminina secundária obsessiva.

Claramente, ela estava muito mais interessada em Shin do que ele nela. Achei isso bastante triste e, na maior parte do tempo, a considerei delirante, mas relativamente inofensiva.

[SPOILERS]

Isso tudo mudou quando ela descobriu sobre Namshin, no entanto. Ela basicamente se transforma na pior pessoa mimada e trata Namshin e So Bong como se fossem literalmente insignificantes.

Passei a desgostar ativamente dela a partir desse ponto. Para ser justo, a série dá a Ye Na uma redenção no final, o que ajuda.

Mas passei a maior parte do tempo assistindo sem gostar muito de Ye Na.

[FIM DO SPOILER]

COISAS NEUTRAS QUE EU SÓ QUERIA COMENTAR UM POUCO

Mãe [SPOILERS]

Are You Human Too 14 mom

No geral, a Mãe (interpretada por Kim Sung Ryung) passa por uma trajetória interessante, para dizer o mínimo. De ser a mulher cujo filho jovem é arrancado de seus braços, ela se torna a criadora benevolente da versão robótica de seu filho e o ama como seu outro filho.

E então, em algum momento da série, ela coloca um botão de autodestruição em Namshin e parece determinada a destruí-lo. Ela se torna irracional e desagradável com Namshin, enquanto fica chorosa e desesperada perto de Shin.

E depois, ela morre enquanto salva o filho robô que estava tentando destruir.

Se você assistiu à série, sabe que não estou inventando nada disso.

A princípio, achei tudo muito estranho também. Mas, pensando melhor, percebi que a Mãe merecia um desconto.

Ela teve seu filho tirado dela e passou anos tentando substituí-lo por um robô. Quando finalmente foi reunida com seu filho, ele estava inconsciente e deitado em uma poça de sangue.

Depois, disseram que ele talvez nunca acordasse. Quando ele finalmente acordou, estava violentamente hostil em relação a ela. Qualquer pessoa nessa posição ficaria um pouco louca, eu acho.

Para constar, fiquei realmente chateado que a Mãe colocaria um botão de autodestruição em Namshin no episódio 10. Minha reação foi literalmente:

“Meu Deus. MÃE. Por que você colocou um botão de autodestruição dentro do Namshin?!??? Só porque o verdadeiro Shin acordou, não significa que Namshin tenha que morrer. Eles coexistiram todo esse tempo, e você o chama de seu outro filho, e você vai matá-lo?!?? Que tipo de mãe você É?!?”

À medida que avançava na série, comecei a perceber que a Mãe se sentia extremamente culpada em relação a Shin por tê-lo substituído por um robô. Em seu desespero para compensar Shin, ela estava disposta a destruir Namshin, se isso fizesse Shin se sentir um pouco melhor.

Eu não aprovava isso, certamente, mas podia entender de onde ela estava vindo.

Eventualmente, quando ela morre protegendo Namshin, sinto que ela compensa tudo, à sua própria maneira muito trágica.

[FIM DOS SPOILERS]

Lee Joon Hyuk como Young Hoon

Sempre achei que Lee Joon Hyuk se destaca ao interpretar personagens sérios e formais, então senti que seu papel como braço direito de Shin era perfeito para ele.

Também achei que seu papel como o estressado cuidador de Namshin era ainda mais perfeito, haha.

[ALERTA DE SPOILER]

Ao longo da série, gostei do arco de Young Hoon porque fiquei curioso para saber por que ele aceitava tanta humilhação como secretário de Shin e por que era tão leal a Shin. A série faz um excelente trabalho mostrando como Young Hoon e Shin têm se protegido mutuamente ao longo dos anos.

No entanto, a culpa de Young Hoon em relação a Shin por permitir que Namshin tomasse seu lugar é muito prejudicial. Eu só queria que Young Hoon fizesse a coisa certa e impedisse Shin de machucar as pessoas, e também Namshin.

Por isso, fiquei muito satisfeito com Young Hoon no episódio 31, quando ele finalmente dá um soco em Shin em vez de simplesmente permitir que Shin faça o que quiser.

Acima de tudo, gostei de ver que até o sério Young Hoon eventualmente se derrete diante da pura sinceridade de Namshin e começa a defendê-lo também.

Essa mudança parece bem conquistada, já que Young Hoon tem uma lealdade tão enraizada em relação a Shin, e eu comemorei ao saber que Namshin ganhou mais um apoiador.

Em outra nota, há uma cena no episódio 15 em que Young Hoon, em vez de fingir que nunca ouviu o que o Presidente disse (sobre ele ser como Seo Jong Gil porque ambos eram órfãos que receberam bolsas de estudo do Grupo PK) e lidar com seus sentimentos sozinho, ele fala com o Presidente sem hesitar e o tranquiliza.

Achei isso corajoso e bastante impressionante; foi o momento em que comecei a admirar Young Hoon, pelo menos um pouco.

[FIM DOS SPOILERS]

Yoo Oh Sung como Seo Jong Gil

Só queria dizer que Yoo Oh Sung é muito bom em interpretar o vilão.

Neste show, ele é exatamente o tipo de vilão que você adoraria odiar; basicamente, ele é o malfeitor que te esfaquearia enquanto usa um sorriso agradavelmente irritante.

Sim, Seo Jong Gil parece um pouco exagerado às vezes, mas achei que isso funcionou muito bem no contexto do nosso mundo hiperdramático.

TEMAS / IDEIAS [SPOILERS MODERADOS]

Sinto que há várias ideias interessantes sendo discutidas neste show.

1. Shin é claramente um produto de suas experiências e ambiente.

Sua personalidade terrível e sua atitude horrível são basicamente porque ele foi arrancado de sua mãe quando criança, ameaçado e chantageado, também quando criança, para ficar longe de sua mãe, e depois passou o resto de sua vida em amargura e ressentimento.

Por quase todo o show, todos estão mais encantados com Namshin, mas Namshin tem a vantagem injusta de ser um robô e, portanto, ser facilmente mais inteligente e mais forte em várias áreas. Por um tempo, me perguntei se o show estava dizendo que pessoas quebradas não valem a pena consertar.

2. Assim como a família não precisa ser ditada pelo sangue, talvez a humanidade e os relacionamentos possam cruzar essas fronteiras biológicas também. David genuinamente pensa em Namshin como seu filho. Portanto, por que So Bong não pode genuinamente pensar em Namshin como seu amado?

3. Namshin consegue romper sua programação e se libertar do controle de Shin, apesar da impossibilidade técnica de tudo isso, já que ele não deveria ter livre-arbítrio. E ainda assim, Young Hoon, que tem livre-arbítrio e não tem programação de computador para escravizá-lo, permanece, por muito tempo, incapaz de se libertar do controle de Shin.

Isso é irônico. Eu gosto da ideia de que, se Namshin pode romper sua programação para ser o tipo de pessoa/robô que ele quer ser, nós também podemos.

4. Namshin sendo capaz de ser ele mesmo, sem ter que fingir ser o que não é. A ideia de não esconder; de levantar a cabeça e ser quem você é, sem sentir a necessidade de fingir ou usar uma máscara.

PENSAMENTOS SOBRE O FINAL [ALERTA DE SPOILER]

Are You Human Too 18 thoughts

Não vou mentir; fiquei um pouco triste ao chegar ao final deste show. Mesmo em meio ao drama pesado dos últimos episódios, me diverti bastante.

Para mim, o melhor de tudo foi o fato de que o show entendeu seu principal apelo e continuou dando a Namshin oportunidades de se tornar cada vez mais independente e humano, e tempo para demonstrar que ele tem sentimentos, mesmo que isso vá contra as configurações de seu sistema operacional.

No geral, achei a maioria das trajetórias e reviravoltas dos personagens (se houve alguma) razoavelmente aceitáveis.

A reviravolta de Shin é grande, mas também senti que os eventos que contribuíram para sua mudança foram significativos o suficiente para justificar sua eventual mudança de perspectiva e atitude.

Fiquei bastante triste com a morte da mãe, mas é uma das coisas-chave que faz Shin acordar parcialmente de sua festa de autopiedade, raiva e violência.

Depois disso, sua própria experiência de quase morte e o sacrifício inabalável de Namshin por ele são o empurrão final para reajustar os níveis em seu coração.

A decisão de Ye Na de entregar seu pai não é exatamente uma reviravolta aos meus olhos; ela sempre se importou profundamente com Shin, e nunca duvidei que ela iria longe para protegê-lo.

Mas desta vez suas ações pareceram diferentes, porque ao decidir finalmente não fechar os olhos para as más ações de seu pai, ela está finalmente tomando uma posição corajosa pelo que acredita ser certo.

No final, ela também desiste da única coisa à qual se agarrou durante todo o show: estar ao lado de Shin.

Com isso, Ye Na finalmente ganhou meu respeito; ela escolheu fazer o que era certo, mesmo sabendo que não poderia ficar perto do homem que salva com sua decisão.

A única reviravolta que não consegui aceitar é como Seo Jong Gil se torna tão alegre na prisão.

O cara passou décadas – literalmente, a maior parte de sua vida – tramando para colocar as mãos no Grupo PK, e nesta última hora, literalmente se torna um vilão caricato (embora sem o bigode).

E, um ano depois, ele está cumprindo alegremente sua pena de prisão, dizendo que o tempo que passou com Namshin foi o mais emocionante de sua vida? E ele não parece ter perdido a cabeça também. Desculpe, não acredito nisso.

O que mais gostei de tudo, é que Namshin permanece fiel a si mesmo até o fim. Ele lamenta tanto a morte da mãe que não suporta permitir que outro ser humano se machuque, se puder evitar.

E assim, apesar dos apelos de So Bong para desativar adequadamente o interruptor de morte antes que ele fique sem tempo, ele escolhe fazer o que considera certo, apesar do risco para si mesmo.

Na reunião na praia, enquanto o show entrava em seus minutos finais, descobri que tudo o que eu conseguia pensar era se o show explicaria a ressurreição de Namshin.

Quero dizer, já vi dramas coreanos suficientes que terminam com uma reunião feliz sem qualquer explicação, sobre como uma metade do OTP está viva novamente, e temia que este show fizesse o mesmo.

Felizmente, o show nos dá uma explicação que eu posso aceitar; Shin finalmente usou seu dinheiro e poder para algo bom e, junto com Young Hoon e David, trabalhou para encontrar Namshin e restaurá-lo, o que levou a duração do nosso salto de um ano no tempo.

Ei, essa é uma explicação de ressurreição que eu posso aceitar.

No final, fiquei feliz que So Bong recuperou seu Namshin. Mais do que isso, porém, fiquei feliz que Namshin tenha a chance de continuar crescendo, desenvolvendo e se tornando – ou talvez mais precisamente, sendo – exatamente o tipo de robo-humano que ele quer ser.

Are You Human Too 19

O VEREDITO FINAL:

Uma jornada surpreendentemente envolvente e agradável.

NOTA FINAL: B+

TEASER:

Vídeos Musicais:

ONDE ASSISTIR: Você pode conferir este show no Viki aqui.

Deixe um comentário