Nana Komatsu: “A Chanel me deu minha chance, há algo filial entre nós”

Nana Komatsu contou capa

Aos apenas 27 anos, a atriz japonesa Nana Komatsu já representa a Chanel internacionalmente há mais de nove anos. O escritor Matthieu Peck teve o prazer de encontrá-la nos bastidores de um pátio parisiense, cercado por flashes fotográficos.

Nana Komatsu contou capa

Fotografia Emma Panchot
Estilizando Jennifer Eymere

Eis que surge uma enorme camélia branca no centro da sala. Uma flor tão grande que parece escolher o homem desta vez, e não o contrário. Trata-se de uma escultura monumental, porém radicalmente sóbria, erguida bem diante de nós, no meio do desfile de prêt-à-porter da Chanel outono-inverno 2023/2024, que está prestes a acender suas luzes, ou melhor, suas chamas – chamas essas que são corpos em movimento.

Se você já sabe por que Gabrielle Chanel venerava a camélia – a ausência de espinhos e perfume, essa elegância neutra e pura – talvez não esperasse, porém, ver uma mulher tomando forma dentro dela. De repente, grandes olhos se abrem nela. De repente, pálpebras altas e duas pupilas negras, absolutamente negras, uma boca agora, um rosto inteiro, essas pétalas que são um rosto projetado, o de Nana Komatsu.

Nana Komatsu contou1,2
Nana Komatsu contou 1,3
Nana Komatsu contou1,4

Colete sem mangas e calças em tweed com lantejoulas, brincos e pulseiras em metal e resina, bolsa em couro matelassê, madeira e metal, COLEÇÃO MÉTIERS D’ART CHANEL – DAKAR.

É uma beleza extraordinária, sem dúvida. Não se trata de vulgaridade que confunde beleza com curvas ou cintura fina, não, é um olhar que te atravessa e escava a alma – aquilo que chamamos de eletricidade. Se você observar os movimentos das estrelas, distinguirá esses estranhos mundos que, ao se encontrarem, reconfiguram a graça. Eu já a havia reconhecido, claro, pois nos encontramos no dia anterior. Deixe-me contar sobre essa mulher.

Sentado no fundo de um estúdio, vinte e quatro horas antes, eu observava os flashes fotográficos inundando incessantemente a intimidade de um teto. Eles tentavam em vão congelá-lo, os tolos – nunca conseguiriam. Eu esperava que Nana Komatsu terminasse suas acrobacias também, com sorrisos e pernas chutando, para que finalmente se juntasse a mim e me contasse um pouco sobre sua jornada.

“Nana Komatsu contou” sobre sua experiência com a Chanel, revelando um vínculo quase familiar com a marca, um laço único que transcende o mero profissionalismo. É fascinante observar como Nana Komatsu contou sua história com tal paixão e eloquência, ilustrando a profundidade de seu relacionamento com a Chanel.

Nana Komatsu contou 3,4
Nana Komatsu contou 3,5

Inicialmente, eu estava curioso, pois me disseram que ela era uma daquelas atrizes que, em seu país, o Japão, quase havia alcançado o estágio de ídolo. Por isso, naturalmente, a primeira coisa que perguntei foi seu nome completo, em tom de brincadeira, e como tudo começou. “Eu tinha apenas 12 anos quando fui descoberta em uma rua de Tóquio. Comecei como modelo, e o cinema veio mais tarde, aos 18 anos.” Todos concordam que isso não é nada original: tornar-se modelo aos 12 e, na década seguinte, tornar-se uma obsessão para um país inteiro. Nana Komatsu rapidamente me falou sobre a Chanel, uma casa à qual ela deve muito, ela especifica: “Eu ainda não era muito conhecida quando eles me chamaram, foi uma surpresa; a Chanel me deu minha chance, agora há algo filial entre nós”. Embaixadora, eu respondi, gostaria de saber exatamente o que isso significa. Para ser honesto, é um termo que pertence à família da palavra “artista”, em algum lugar, no sentido de que não sabemos realmente mais o que isso significa. Uma dessas palavras abrangentes. Embaixadora, portanto: “É, antes de tudo, estar próxima aos valores que a casa defende. É sentir-se próxima tanto de Gabrielle Chanel quanto da visão de Virginie Viard hoje. Como mulheres, ambas são modelos a seguir: assertivas e independentes.” Ok, eu disse, eu já tinha ouvido isso algumas vezes antes, antes dela adicionar essa frase magnífica, esta frase que eu quero anotar: “o que você aprende é que há diferentes maneiras de habitar o mundo”.

Nana Komatsu contou sobre suas viagens aqui, sobre as diferenças fundamentais entre o Ocidente e o Japão, que ela diz que podem ser resumidas pelo fato de que lá, a mera ideia de usar sapatos em um quarto causa arrepios, os reais. No início achei que era exagero, nunca tendo pisado no Japão, mas rapidamente entendi que não, que até precisava mudar de assunto – o que nos desagrada é uma forma importante de personalidade.

Camiseta de malha, calça jeans em denim estampado, brincos em metal e resina, colar em metal e contas de vidro, anel em metal, couro e strass, cinto-jóia em metal, couro e strass, meias de algodão com strass e sandálias anabela em couro e couro envernizado, COLEÇÃO MÉTIERS D’ART CHANEL – DAKAR.

Sua carreira de atriz começou aos 18 anos, de maneira relativamente natural, como se despedir de um estranho – com o piscar de um olho. São papéis alternadamente sombrios ou brilhantes, eu notei, diferentes caminhos nos quais ela formula “tentar se encontrar, descobrir-se e, às vezes, até exorcizar coisas”. Eu gostei dessa honestidade que a fez confessar que essas coisas são bastante difíceis de transcrever em palavras. Eu sei disso: os silêncios que são as pistas mais bonitas – os detalhes a serem detectados pela temperatura e não pelo barulho.

Então Nana Komatsu teve que voltar a conduzir os flashes no teto. Já estávamos conversando há trinta minutos, e eu ainda não havia resolvido a questão de se as frutas à nossa frente eram frescas ou de plástico. Ela estava feliz que um desfile da Chanel logo aconteceria no Japão, em 1º de junho. Métiers d’art, o nome da coleção, ou melhor, uma réplica do desfile Métiers d’art que ocorreu em Dakar no último dezembro – por muito tempo, ela me explicou, a Chanel tem investido na preservação de certas indústrias artesanais destinadas à extinção. O famoso savoir-faire que tanto ouvimos falar, mas este era o verdadeiro, e não um chamariz em um discurso. É um grande lugar que reúne todos esses ateliês, no 19º arrondissement de Paris, um local que ela também teve a chance de visitar – o 19M. “O que te impressiona lá é a idade que não é mais uma. O lado intergeracional de todos esses artesãos, essa transmissão de saber-fazer que está no ar – você realmente deveria ir lá.” Isso mesmo, eu pensei, me despedindo dela, a paixão certamente tem um cheiro.

Nana Komatsu contou 4,2

Blusa de chiffon de seda estampada, calça jeans em denim estampado, colares em metal, contas de vidro e strass, colar e brincos em metal e resina, cintos-jóia em metal, contas de vidro e strass, bolsa de cetim bordada com lantejoulas, pérolas e strass, COLEÇÃO MÉTIERS D’ART CHANEL – DAKAR.

CABELO Natsumi Ebiko
MAQUIAGEM Uda Kesho
ASSISTENTE DE STYLING Kenzia Bengel de Vaulx

Fonte: Kpopchart

Deixe um comentário